As novas armas da Apple para permanecer no topo

Com a venda dos iPhones em queda, a empresa aposta em serviços, acessórios vestíveis e realidade aumentada para manter o crescimento


A Apple planeja se reinventar para não depender apenas das vendas do iPhone (Foto: Charles Platiau/Reuters)



A Apple anunciou na última terça-feira (30/07) os resultados do terceiro trimestre da empresa. As notícias não foram muito boas. O relatório indica uma queda acentuada das vendas do iPhone,carro-chefe da marca: pela primeira vez, desde 2012, a receita gerada pelo aparelho não chegou a 50% do faturamento total da empresa.

Mesmo assim, a Apple observou um aumento na receita em relação ao mesmo período no ano anterior. E o relatório trouxe alguns sinais positivos, mostrando como companhia poderá se manter no topo em um futuro próximo, mesmo sem poder contar com o impulso do iPhone.


Confirmando o movimento dos últimos meses, os serviços oferecidos pela companhia — vendas de aplicativos, games, vídeos, AppleCare e Apple Pay — continuam trazendo bons resultados: esse braço do negócio trouxe US$ 11 bilhões para o negócio no último trimestre.


Mas a tendência que traz melhores perspectivas para a empresa, segundo o CEO Tim Cook, é o aumento substancial da vendas de acessórios. A categoria - que inclui o Apple Watch, os Air Pods (fones de ouvido sem fio) e os HomePods (auto-falantes para casa) - cresceu 50% em relação ao mesmo período no ano passado, alcançando uma receita de US$ 5,52 bilhões. Esses resultados indicam que, em breve, a empresa não dependerá mais do iphone para conseguir receitas cada vez maiores.


A Apple lançou a segunda geração de AirPods em março, com novas funcionalidades, como a possibilidade de recarregar sem o uso de fios. Na mesma época, foi anunciada a quarta geração do Apple Watch, incluindo uma versão que funciona independentente do iPhone.


A empresa está buscando alternativas para continuar crescendo. Nos primeiros três trimestres do seu ano fiscal, foram investidosu US$ 12 bilhões em pesquisa e desenvolvimento. Com certeza, esses recursos não estão sendo investidos apenas na nova versão do iPhone.


Sabe-se que a companhia está trabalhando em diversos produtos no momento, e que um dos principais focos é a realidade aumentada. Há boatos de que a Apple lançaria seus primeiros óculos de RA até 2020.


Fonte: Época

6 visualizações0 comentário