Bilionários das criptomoedas perderam US$ 15,5 bilhões em nove dias em meio às quedas de ativos

O bitcoin se recupera do tombo dos últimos dias e avança mais de 18% na manhã desta quinta-feira (19)


Fonte: Forbes


Depois de alcançar a marca de US$ 59.423 no dia 10 de maio, o preço do bitcoin começou um declínio dramático, caindo 36% nos nove dias seguintes e afundando o patrimônio líquido de 12 cripto bilionários neste processo. Pelas estimativas da Forbes, os bilionários que construíram suas fortunas no mundo das criptomoedas perderam US$ 15,5 bilhões, já que seus patrimônios líquidos caíram juntos de US$ 62,3 bilhões para US$ 46,8 bilhões, considerando a cotação dos ativos às 16:00 de ontem (19).


Um ano atrás, o bitcoin era negociado a cerca de US$ 9.700 por moeda. Na manhã de hoje, a moeda digital buscava sua recuperação e tinha alta de 18,6% às 11h40, horário de Brasília, negociado a US$ 41.860 no exterior. No mercado doméstico, a cripto era cotada a R$ 221.496 no mesmo horário.


A maior perda (em dólares) é de Sam Bankman-Fried, o fundador de 29 anos da firma de trading de criptoativos Alameda Research. Ex-trader em Wall Street, Bankman-Fried tinha uma fortuna avaliada em US$ 16,7 bilhões no pico dos preços do bitcoin em 10 de maio, mas seu patrimônio recuava para US$ 11,5 bilhões na tarde de ontem. Um dos mais jovens self-made bilionários na lista da Forbes, seu patrimônio líquido disparou depois de lançar a FTX, uma exchange de derivativos de criptomoedas, em 2019. A maior parte de sua fortuna vem do patrimônio líquido e dos tokens da FTX, que recuaram 27% desde o último dia 10.


Os gêmeos Winklevoss também perderam parte de sua fortuna. Tyler e Cameron Winklevoss, os famosos gêmeos que brigaram com Mark Zuckerberg pela criação do Facebook, viram seu patrimônio líquido cair US$ 900 milhões cada nos últimos nove dias, uma queda de 24% para cerca de US$ 2,9 bilhões para cada irmão. Os gêmeos usaram parte do acordo de US$ 65 milhões da disputa no Facebook para investir em bitcoins em 2012 e lançaram a exchange de criptomoedas Gemini em 2014. A empresa agora processa cerca de US$ 200 milhões por dia em negociações.


A maior perda relativa é de Michael Saylor, um bilionário da era Ponto.com que se reinventou como investidor em bitcoins. Saylor já foi um cientista de foguetes e revelou em outubro de 2020 que comprou 17.732 bitcoins por US$ 175 milhões. Ao longo de 2020, ele também conduziu sua empresa de análises de software para negócios, a MicroStrategy, para investir em bitcoins, comprando 70.784 unidades da moeda por US$ 1,1 bilhão. Sua fortuna valia US$ 3,3 bilhões no pico dos preços do bitcoin, mas seu patrimônio líquido caiu 45% nos últimos nove dias, para US$ 1,8 bilhão.


A montanha-russa das criptomoedas também tirou o status de bilionário de um magnata, poucas semanas depois dele atingir o patamar. Vitalik Buterin, o cocriador da blockchain ethereum, tornou-se bilionário em 3 de maio, quando o ether atingiu quase US$ 3.300 por moeda. Seu patrimônio era estimado em US$ 1,4 bilhão quando o valor do ether ultrapassou US$ 4.300 em 12 de maio, mas com a recente queda, a Forbes estima sua fortuna líquida atual em cerca de US$ 850 milhões.


No entanto, nem tudo é tristeza para os cripto bilionários do mundo que, apesar da crise recente, ainda estão mais ricos do que há alguns meses. Esses 12 magnatas valem juntos cerca de US$ 46,8 bilhões – 25% acima dos US$ 37,3 bilhões em 5 de março, quando a Forbes calculou os patrimônios líquidos para a lista dos bilionários do mundo de 2021.


Um exemplo é o token XRP, do Ripple, que mesmo depois de perder mais de um quarto de seu valor ontem (19), ainda vale mais do que o dobro do início de março. Além disso, o muito antecipado IPO da Coinbase em abril impulsionou as fortunas dos seus cofundadores, Brian Armstrong e Fred Ehrsam, apesar do recente declínio no preço das ações.


Aqui estão os cripto bilionários do mundo e como suas fortunas oscilaram nos últimos dias. Os patrimônios líquidos são calculados com base na cotação dos ativos em 19 de maio de 2021 às 16:00, horário de Brasília.


Sam Bankman-Fried

Principal ativo: tokens FTX Patrimônio líquido em 10/05: US$ 16,7 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 11,5 bilhões Variação: -31%


Brian Armstrong

Principal ativo: ações da Coinbase Patrimônio líquido em 10/05: US$ 9,8 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 8,3 bilhões Variação: -15%


Chris Larsen

Principal ativo: XRP Patrimônio líquido em 10/05: US$ 6,9 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 5,6 bilhões Variação: -19%


Jed McCaleb

Principal ativo: XRP Patrimônio líquido em 10/05: US$ 6 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 4,4 bilhões Variação: -27%


Tyler e Cameron Winklevoss

Principais ativos: Gemini e bitcoins Patrimônio líquido em 10/05: US$ 3,8 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 2,9 bilhões Variação: -24%


Fred Ehrsam

Principal ativo: ações da Coinbase Patrimônio líquido em 10/05: US$ 3,4 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 2,9 bilhões Variação: -27%


Matthew Roszak

Principal ativo: Bitcoin Patrimônio líquido em 10/05: US$ 2,8 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 1,7 bilhão Variação: -39%


Barry Silbert

Principais ativos: Digital Currency Group Patrimônio líquido em 10/05: US$ 2,1 bilhões Patrimônio líquido em 19/05: US$ 1,8 bilhão Variação: -14%


Changpeng Zhao

Principal ativo: Binance Patrimônio líquido em 10/05: US$ 1,9 bilhão Patrimônio líquido em 19/05: US$ 1,9 bilhão Variação: 0%


Tim Draper

Principal ativo: Bitcoin Patrimônio líquido em 10/05: US$ 1,8 bilhão Patrimônio líquido em 19/05: US$ 1,1 bilhão Variação: -39%


Fonte: Forbes

1 visualização0 comentário