IGP-M passa a subir 1,51% em abril com arrefecimento dos combustíveis, diz FGV

Fonte: Forbes

Índice ficou acima das expectativas e levou a uma alta acumulada de 32,02% em 12 meses



O IGP-M (Índice Geral de Preços-Mercado) registrou alta de 1,51% em abril, após subir 2,94% no mês anterior, com a inflação tanto ao produtor quanto ao consumidor acompanhando uma desaceleração nos valores dos combustíveis.


O dado informado hoje (29) pela FGV (Fundação Getulio Vargas) ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters, de avanço de 1,37%, e levou o índice a acumular em 12 meses, alta de 32,02%.


Em abril, o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, desacelerou a alta a 1,84%, de 3,56% no mês anterior.


Entre os componentes do IPA, o grupo bens finais registrou avanço de 1,1% em abril, depois de ter avançado 2,5% no mês anterior, desaceleração que foi atribuída aos combustíveis para o consumo, cuja taxa de variação passou de 18,64% para -1,08%.


Os bens intermediários também arrefeceram no período, apresentando alta de 3,16%, após saltarem 6,33% em março. O subgrupo de combustíveis e lubrificantes para a produção foram apontados como os principais responsáveis para esse movimento.


O consumidor também viu a alta dos preços diminuir, com o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), com peso de 30% sobre o índice geral, registrando alta de 0,44% em abril, contra 0,98% em março.


A maior contribuição para a leitura partiu do grupo dos transportes, que desacelerou sua alta a 1,03% em abril, ante salto de 3,97% no mês anterior, refletindo a menor taxa de variação dos preços da gasolina – de 11,33% em março para 3,03% em abril.


“A desaceleração da taxa de variação dos combustíveis orientou o recuo da inflação ao produtor e ao consumidor”, afirmou em nota André Braz, coordenador dos índices de preços.


No entanto, ele também destacou o avanço da taxa de variação do IGP-M em 12 meses: “tendência que deve continuar até o próximo mês, dado que o IGP-M havia subido apenas 0,28% em maio de 2020.”


O INCC (Índice Nacional de Custo de Construção), por sua vez, subiu 0,95% no período, depois de avançar 2,00% em março. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis. (com Reuters)


Fonte: Forbes

1 visualização0 comentário