Robinhood entra com pedido de IPO nos EUA e surpreende em mercado de criptomoedas

SÃO PAULO – A corretora online americana Robinhood Markets entrou com pedido, nesta quinta-feira (1), para realizar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).


Fonte: Infomoney

Fundada em 2013, na Califórnia (EUA), a empresa será negociada sob o código “HOOD” na bolsa de Nova York (Nasdaq), nos Estados Unidos.


De acordo com o prospecto de IPO, a companhia possui US$ 81 bilhões em ativos sob custódia, um forte crescimento em relação aos US$ 19,2 bilhões reportados em março de 2020.


A base de usuários ativos por mês também teve grande expansão, da ordem de 151%, para quase 18 milhões, sendo mais de 50% deles investidores iniciantes.


Segundo o documento entregue à Securities and Exchange Comission (SEC, a CVM americana), a Robinhood registrou lucro líquido de US$ 7,45 milhões em 2020 e receita líquida de US$ 959 milhões.


No primeiro trimestre deste ano, contudo, a corretora teve perdas de US$ 1,4 bilhão em meio à necessidade de criar um fundo de emergência diante do caso GameStop, em janeiro.


Nos três primeiros meses do ano, a companhia registrou receita líquida de US$ 522 milhões, aumento de 309% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.


Ainda de acordo com o prospecto, a companhia pretende alocar de 20% a 35% das ações vendidas no IPO para investidores de varejo. “Nossa missão é democratizar o financiamento para todos”, escreve.


A decisão de abrir o capital da Robinhood ocorre na mesma semana em que a corretora recebeu uma multa de US$ 70 milhões dos reguladores por falhas sistêmicas e fornecimento de informações falsas e enganosas.

Cripto ganha espaço e Dogecoin é destaque


Um dos grandes destaques do portfólio da Robinhood, segundo o prospecto, é a fatia em criptomoedas.


A corretora, que oferece sete moedas digitais diferentes em sua plataforma, incluindo Bitcoin, Ethereum e Litecoin, viu um aumento nas transações de criptomoedas no primeiro trimestre deste ano.


De forma geral, os ativos em cripto tiveram, na comparação anual, aumento de 25 vezes no período, de US$ 480,7 milhões para US$ 11,6 bilhões, representando 17% da receita total da companhia. No quatro trimestre de 2020, a fatia correspondia a 4%.


O destaque ficou por conta do Dogecoin, a moeda meme, criada como uma forma de brincadeira e que ficou conhecida pela divulgação de Elon Musk, CEO da Tesla.


No primeiro trimestre, a receita com Dogecoin respondeu por 34% das transações em criptoativos, ante 4% no quarto trimestre de 2020. A moeda também respondeu por 6% da receita total da companhia no período.


No prospecto, a Robinhood reforça, contudo, que o seu negócio pode ser afetado “se o mercado de Dogecoin se deteriorar ou se o preço da moeda cair, além do impacto de fatores como percepções negativas de Dogecoin ou do aumento da disponibilidade de Dogecoin em outras plataformas de negociação de criptomoeda”.


Fonte: Infomoney

4 visualizações0 comentário