Sócios da Vista Equity devem ganhar milhões com venda da Stamps.com por US$ 6,6 bilhões

Thoma Bravo, concorrente da Vista Equity, anunciou compra da empresa de soluções de entregas


Fonte: Forbes


Na última sexta-feira (9), a gigante de capital de risco focada em tecnologia e software Thoma Bravo revelou um acordo de US$ 6,6 bilhões para fechar o capital da Stamps.com, comprando cada ação por US$ 330. O acordo para a Stamps.com, que vende soluções digitais de entrega para pequenas e médias empresas, foi fechado com um lucro de 67% em relação ao preço de negociação na quinta-feira (8), gerando bilhões em ganhos para os acionistas. Entre eles está a Vista Equity Partners, considerada a maior concorrente da Thoma Bravo no mercado de private equity de software.


Por muitos anos, a Vista Equity administra um portfólio interno de ações de capital aberto no qual construiu posições em empresas de software e tecnologia que considera interessantes e são listadas na Bolsa. Entre essas companhias, a Stamps.com era a que a Vista Equity tinha maior participação – um total de 406.975 ações. (Esse número exclui suas posições públicas na Ping Identity, Jamf e Datto Holdings, que recentemente abriu seu capital, e na Lightspeed POS, que adquiriu a Upserve, uma das empresas do portfólio da Vista, em dezembro.)


A Vista Equity ganhará cerca de US$ 54 milhões com base na avaliação da Thoma Bravo da Stamps.com, e na quinta-feira (8) suas participações eram avaliadas em cerca de US$ 134 milhões (nossos cálculos presumem que o Vista Equity manteve sua posição desde o primeiro trimestre.) De acordo com a análise da Forbes do portfólio de ações públicas da Vista, a empresa tem ações de mais 25 companhias de tecnologia dos EUA – elas valiam mais de US$ 600 milhões no primeiro trimestre deste ano, incluindo participação em Bill.com, ServiceNow, CloudFlare, CrowdStrike, Nice, Pluralsight, Shift4 Payments, Qualtrics e Hubspot. A Vista também possui ações da empresa Dynatrace, que também integra o portfólio da Thoma Bravo.


Mesmo saindo perdendo na LBO (aquisição alavancada, na sigla em inglês) da Stamps.com, a Vista terá um lucro considerável com a venda de sua participação. Os registros indicam que a companhia construiu sua posição no primeiro trimestre de 2021. No período, os lucros decepcionantes fizeram com que as ações da Stamps.com despencassem quase 40%, de US$ 276 para US$ 170, no início de fevereiro. Se a Vista tivesse construído sua posição nas baixas de fevereiro, teria quase dobrado o investimento.


Outros acionistas que se beneficiaram com o acordo da Stamps.com são: Disciplined Growth Investors, Fisher Asset Management e Simcoe Capital Management.


A Stamps é parte de uma enxurrada de negócios da Thoma Bravo em 2021, que inclui a aquisição do RealPage por US$ 10,2 bilhões, finalizada em abril. No final daquele mês, a empresa concluiu a compra de US$ 12,3 bilhões da Proofpoint, fechando o capital da empresa de software. No início de julho, ela celebrou um acordo para abrir o capital da IronSource, empresa israelense de aplicativos móveis, por meio de sua SPAC, a Thoma Bravo Advantage.


As sociedades de aquisição de propósito específico, em tradução livre para o português de “SPAC”, abrem seu capital sem operações comerciais e usam os recursos captados para adquirir empresas privadas.


“Como a primeira empresa a lançar a postagem online e uma das primeiras a inovar em software de entregas para o comércio eletrônico, a Stamps.com se consolidou como uma fornecedora de soluções de tecnologia chave no e-commerce mundial”, disse Holden Spaht, o sócio da Thoma Bravo responsável pelo negócio com a Stamps.com, em um comunicado à imprensa. A Thoma Bravo está apostando que pode expandir as soluções de envio de comércio eletrônico da Stamps para empresas, especialmente porque muitas adotam estratégias que combinam home office e jornadas nos escritórios, descentralizando os locais de trabalho dos funcionários.


Em 2020, a Spaht liderou as negociações da venda da gigante de software de hipotecas Ellie Mae pela Thoma Bravo por US$ 11 bilhões, o que rendeu à Thoma Bravo um lucro inesperado de US$ 9 bilhões.


Por anos, a Stamps.com é alvo de controvérsias em Wall Street, atraindo vendedores a descoberto que criticam seus acordos com o serviço postal dos EUA e veem a empresa como um negócio com riscos de se tornar obsoleto devido ao aumento do uso do email. No entanto, o faturamento da Stamps tem aumentado rapidamente à medida que o ecommerce cresce, e a companhia tem grandes margens que atraem investidores cuja estratégia é fechar o capital de empresas desvalorizadas e turbinar seus negócios.


Em 2020, as receitas da Stamps aumentaram 32%, para US$ 758 milhões; as margens brutas foram de 76% e Ebit (Lucro antes de Juros e Impostos, na sigla em inglês), US$ 264 milhões, uma margem de 35%. A Stamps.com também está desalavancada, com um caixa líquido de cerca de US$ 400 milhões, de acordo com dados da Sentieo.


O financiamento da aquisição passará ao largo dos principais bancos de investimento. Em vez disso, a Thoma Bravo vai levantar o que provavelmente serão bilhões em dívidas de capital da Blackstone Credit, de fundos administrados pela Ares, o fundo de pensão canadense PSP Investments e sua própria operação de crédito, a Thoma Bravo Credit.


Fonte: Forbes

2 visualizações0 comentário